7 de março de 2020

[Resenha] Pollyanna & Pollyanna Moça

🌟🌟🌟🌟🌟
Pollyanna & Pollyanna Moça
Título Original: Pollyanna | Pollyanna Grows Up
Autor (a): Eleanor H. Porter
Editora: Martin Claret
Ano: 2015
Número de páginas: 471
Adicione à sua estante: Skoob
Sinopse: Uma grande história de amor e amizade. A infância e adolescência de uma menina se encontram em uma edição encantadora. Pollyanna e Pollyanna Moça são as duas grandes obras de Eleanor H. Porter, umas das mais famosas escritoras infanto-juvenis dos Estados Unidos. Pollyanna conta a história da jovem menina que, ao ficar órfã, muda-se para a cidade para morar com a tia. Apesar de todos os desafios da vida, Pollyanna nos ensina que é preciso manter a felicidade, o amor e o bem. Em Pollyanna Moça, a jovem encontra muitas aventuras e conhece novos amigos, mudando a vida destes também.


Estou contente por finalmente conhecer a história de Pollyanna!

Clássico da literatura infanto-juvenil, publicado em 1913, Pollyanna conquistou e ainda conquista muitos corações 💜.

Você certamente já escutou alguém citando Pollyanna e o seu “jogo do contente”. Mas você de fato conhece quem é Pollyanna? Falante, alegre e ingênua, a protagonista dá uma lição de como valorizar a vida para os personagens da obra e para nós leitores. Assim como acontece na obra, é impossível não gostar da protagonista.

“ – Sim. O “jogo do contente”.
– Do que está falando?
– Bem, é um jogo. Meu pai me ensinou, e é maravilhoso – explicou Pollyanna.”

A história de “Pollyanna” é muito leve, de fácil linguagem, com capítulos curtos. A trama se desenvolve com a chegada de Pollyanna em Beldingsville após a morte de seu pai para morar com sua tia Polly. Sua tia é conhecida na cidade por ser uma senhora fechada, pouco sociável, e certamente Pollyanna irá virar a vida da tia de pernas para o ar.

Recheada de imagens e páginas coloridas, a edição dupla (Pollyanna & Pollyanna Moça) da Editora Martin Claret é de brilhar os olhos. Cada capítulo inicia-se com um título, e muitos acabam dando um pequeno spoiler do que está por vir.



No que diz respeito à obra “Pollyanna Moça”, apesar de ter me apaixonado com o primeiro volume (Pollyanna), particularmente me envolvi mais com este segundo volume.

“ – Que o lugar mais solitário do mundo é uma multidão na cidade grande.”

Pollyanna é apresentada a pobreza, tristeza e frieza da socidade, e que por mais que ela se esforce com seu jogo do contente, não será uma missão fácil trazer alegria para todos ao seu redor. A narrativa é dividida em duas partes, sendo a primeira, Pollyanna ainda criança passando uma temporada em Boston e na segunda parte ocorre a passagem de tempo, e Pollyanna é apresentada ao leitor com seus 20 anos, e não mais criança. No entanto, mesmo com os anos, a menina-moça continua com seu brilho e encantamento.


É difícil contar para vocês sobre as obras sem revelar spoilers e tirar a graça da trama. Em ambas histórias, os personagens secundários são muito cativantes, e a mudança dos comportamentos antes e depois de Pollyanna em suas vidas é bem evidente e significativa.

E para entender melhor o jogo do contente, um exemplo que achei graça. Para as pessoas que não gostam de segundas-feiras, pensem assim: você devia ficar mais feliz do que nos outros dias, porque vai se passar uma semana inteira sem outra segunda!

O interessante é que apesar de ser gênero infanto-juvenil, sem dúvidas, “Pollyanna” é uma leitura obrigatória para os adultos. Por mim poderia ter mais mil continuações de “Pollyanna” que certamente leria todas com muito gosto.

“O que homens e mulheres precisam é de encorajamento. Os poderes naturais de resistência dever ser fortalecidos, não enfraquecidos... em vez de sempre falar dos erros de um homem, fale a ele sobre suas virtudes. [...] As pessoas irradiam o que vai em sua mente e em seu coração.”

Foram feitas algumas adaptações para o cinema, uma inclusive pela Walt Disney de 1960. O SBT exibiu uma novela baseada na obra de Eleanor H. Porter intitulada “As Aventuras de Poliana”.

Você sabia?
  • A primeira edição de Pollyanna foi publicada em 1913 e a continuação Pollyanna Moça (Pollyanna Grows Up) em 1915.
  • Vertentes da psicologia estudam a “Síndrome de Pollyanna”. O indivíduo com a sídrome adota uma atitude de tentar fugir da realidade e começa a fantasiar um mundo sem problemas e onde todas as pessoas são boas.
  • Existe um dia em Littleton (cidade natal da autora) que se celebra o “Dia de Pollyanna”, e uma estátua de bronze de Pollyanna foi construída. Leia mais sobre esta curiosidade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Olá, seja bem-vindo. Deixe um recadinho contando para mim se você gostou do post, ou sugestões para o blog. ;)